terça-feira, 13 de dezembro de 2016

ENCARNAÇÃO DE JESUS NO PLANETA TERRA (por ser muito elevado, levou séculos de preparação para descida vibratória)





Observando a natureza ao nosso redor e refletindo sobre o mistério de sua origem, através do germinar de uma semente, da divisão das células surgindo a vida de um ser, do equilíbrio dos planetas gravitando no espaço, o raciocínio lógico e sensato nos obriga a admitir a existência de uma força oculta a coordenar todo estes fenômenos.

Acrescentando a isto as reflexões sobre as informações que nos chegam através do processo mediúnico podemos, já sem dúvida alguma, crer, através da compreensão, na existência de outras realidades além da nossa realidade física.

Segundo a espiritualidade, nestas outras realidades extrafísicas, as leis que regem o tempo são completamente diferentes da nossa terceira dimensão.

Submetido à Vontade do Criador, a partir destas outras realidades vibratórias, inúmeras Entidades Siderais coordenam o processo evolutivo nos Universos astrais. E, desde há muito tempo, Elas coordenavam a preparação do planeta Terra para receber espíritos de outras moradas celestes para aqui evoluírem.

Dentro desta Comunidade de Espíritos Puros foi eleito um para assumir a tarefa de conduzir os espíritos em evolução.
Este Ser, demonstrando o exemplo de renúncia, preparou-se para nascer também num corpo biológico na terceira dimensão.

Para isto, durante aproximadamente 1.000 anos terrestre, realizou sua “descida vibratória” para o processo de encarnação.

Ele nasceu num momento propício para trazer sua mensagem, demonstrando pessoalmente qual deveria ser o comportamento a ser adotado por todos nós no atual estágio evolutivo.

Este Ser recebeu o nome de Jesus; e, durante sua jornada terrestre, não criou nenhum templo religioso, e não pregava nas sinagogas da época. Ele caminhava entre os povos das comunidades curando os doentes e pregando a “Boa Nova”; e ensinava que todos nós deveríamos amar o Criador acima de todas as coisas, entrando constantemente em sintonia com Ele.

E, também, deveríamos aprender a convivermos uns com os outros, atendendo não ao nosso egoísmo e sim praticando a caridade do servir aos nossos semelhantes.

Jesus não criou nenhuma religião; as religiões que surgiram utilizando o nome de Dele foram criadas pelos homens, de conformidade com o nível cultural local de cada comunidade.
Com isto, criaram-se rituais e cerimonias que atendiam o estado psicológico de cada povo.

Jesus nasceu para mostrar o caminho da “salvação” a todos nós, espíritos ainda imaturos, através da mudança de nosso comportamento. Milhares de oportunidades já tivemos para realizar este aprendizado através das reencarnações; e, agora que vivemos o momento predito por Ele, como o “Final dos Tempos”, temos a chance de nos libertamos das algemas do processo cármico, vivenciando o Seu Evangelho.

NOTA:
Não há surpresas nem confusões no funcionamento do mecanismo sideral do Cosmo; em consequência, foram perfeitamente previstas e determinadas todas as premissas, etapas e conclusões na vida messiânica do Mestre Jesus, o Redentor dos homens terrenos.

Irmãos da Nova Era Espírita